quinta-feira, 24 de maio de 2018


BRASIL PRESTES A EXPLODIR

JUACY DA SILVA

Há poucos dias li duas noticias que para muita gente talvez tenham passado desapercebidas. Uma se referida a possibilidade de um projeto de lei que transformaria o MST (movimento dos trabalhadores sem terra) e o MTST (movimento dos trabalhadores sem teto) em movimentos terroristas e como tais, suas manifestações seriam enquadradas na Lei de Segurança Nacional, que , mesmo em plena democracia, aindá está em vigor como uma espada prestes a cortar a cabeça de quem não segue as ordens e normas dos donos do poder e das elites dominantes, incluindo os latifundiários e seus aliados.

Outra notícia é a defesa que candidatos, como Bolsanaro, seus aliados e apoiadores pelo Brasil afora no sentido de que fazendeiros e talvez qualquer pessoa que assim o desejar possam comprar armas de Guerra (fuzis, metralhadoras, pistolas e outras mais) para defenderem suas propriedades a ferro e fogo. Para esses a seguranca está na ponta do fuzil e não nas ações que os poderes públicos deveriam executar através de politicas públicas que garantam teto, terra, trabalho, nas palavras do Papa Francisco , enfim, a vida, a liberdade e o direito de ir e vir e não apenas a propriedade.

Talvez seja bom lembrar que essas armas já estão nas mãos do crime organizado há varios anos, razão pela qual nem a intervenção federal, sob a batuta do Exército brasileiro, na segurança pública do Rio de Janeiro tem conseguido reduzir o poder de fogo da bandidagem e com certeza levará `a desmoralização não apenas do nosso glorioso verde oliva, mas também das forças armadas e policiais como um todo e, inclusive, do governo Temer e de diversas governos estaduais que não estão conseguindo enfrentar o crime organizado que, a cada dia age com mais destemor, na certeza da impunidade, inclusive facilitada por uma justica morosa.

Em meio a tudo isso, todos os dias surgem noticias e fatos novos para anuviar o cenário nacional, complicando sobremaneira o periodo eleitoral e pós eleitoral, se é que vamos ter eleiçõs este ano. Alguns analistas e também videntes costumam dizer que Temer não termina seu governo e que um golpe de força não estaria descartado, na esteira de uma corrente de extrema direita que prega abertamente uma nova intervencao militar.

O exemplo mais patente da fragilidade politica, econômica, social e institucional que estamos vivendo é esta greve dos caminhoneiros, mais de 800 mil em todo o Brasil, que está colocando o governo Temer de joelhos e afetando o país como um todo, incluindo a possibilidade de desabastecimento, aumento exagerado de preços e a volta da inflação.

O interessante nesta estória que todo mundo já sabia o fim desta novela, afinal, atrelar o preco dos combustíveis `a variação do preço internacional do petróleo, apesar de que o Brasil seja um dos maiores Produtores de etanol e um produtor médio de petróleo, preço este que é cotado em dólar que tem se valorizado nos últimos meses, levaria a um desastre econômico e social.

Quem autorizou a Petrobrás a aumentar diariamente o preço dos combustiveis foi o Governo Temer, sem avaliar as consequências desta medida, cujo objetivo nada mais é do que capitalizar novamente a Petrobrás que foi destruida ao longo dos últimos anos pela corrupção patrocinada pelos Governos Luda, Dilma/Temer e com o apoio de todos os partidos que apoiavam aqueles governos e continuam apoiando o governo Temer e tem suas mãos manchadas não apenas pela corrupção como também pela conivência e incompetência que os caracterizam.  Para este governo e seus apoiadores no Congresso e nos Estados, “salvar” a Petrobrás é mais importante do que salvar o povo brasileiro que vive no desemprego e sub emprego e com um salário de fome (13,7 milhões de desempregados e 14 milhões de subempregados); mais de 50 milhões de inadimplentes com seus nomes sujos, devido a taxa de juros escorchantes e o desemprego; mais de 1,5 milhões de pessoas que voltaram a condição de pobreza extrema e mais de 5 milhões que voltaram a viver na pobreza.

O aumento do preço dos combustiveis, principalmente do óleo diesel e outros derivados como gás de cozinha, está paralizando o transporte urbano, intermunicipal e interestadual; transporte aéreo, transporte de cargas, contribuindo também para o desabastecimento de alimentos e outros produtos, enfim, infernizando a vida da população, principalmente das camadas pobres e miseráveis, mas também afetando a vida das camadas média e alta que não vão poder viajar de avião, por falta de combustível e aeroportos fechados com já está acontecendo.

Enquanto isso, os corruptos, os marajás da República e os sangue sugas do tesouro continuam com suas ações, uns poucos a caminho da prisão, como aconteceu há dois ou tres dias com o Tucano, ex governador mineiro que foi condenado a 20 anos de prisão por crimes de colarinho branco cometido há exatamente duas decadas e outros em sua insesibilidade social.

Isto é Brasil, uma panela de pressão prestes a explodir e levar pelos ares nosso tão decantado “estado democratico de direito” ou nas palavras do Conde Affonso Celso, em sua obra “Porque me ufano de meu país”, escrito em 1906, publicado em 1908 e que vale a pena ser lida.

JUACY DA SILVA, professor universitario, mestre em sociologia, colaborador e articulistas de diversas veiculos de comunicação. Email professor.juacy@yahoo.com.br Twitter@profjuacy  Blog www.professorjuacy.blogspot.com


quinta-feira, 17 de maio de 2018


O POVO AINDA QUER LULA

JUACY DA SILVA

Apesar de que Lula ja esteja preso desde o último dia 07 de abril e, em decorrência de já ter sido condenado em segunda instância, tornando-o inelegível, caso a Lei da ficha limpa seja realmente aplicada pelo TSE, as tres pesquisas de opinião pública quanto `as intenções de voto divulgadas desde então, tanto na forma espontânea quanto na estiumlada em que aparece o nome do ex presidente, o mesmo tem a preferência dos entrevistados de forma disparada, tanto em primeiro quanto em segundo turno.

O PT definiu uma estratégia no sentido de ignorar a possibilidade ou probabilidade de Lula não conseguir emplacar a candidatura a Presidência da República e se recusa a divulgar um plano “B”, onde algum outro nome do PT pudesse ser candidato no lugar de Lula ou até mesmo indicando um candidato a vice na chapa de outro candidato.

Essas tres pesquisas, Data Folha de 13 de abril, IBOPE com abrangência apenas para o Estado de São Paulo em 24 de abril e da CNT/MDA para o Brasil como um todo, divulgada mais recentemente, em 14 deste mes de maio, mesmo que não podendo ser comparáveis devido a metodologia e o universo pesquisado, tem alguns pontos em comum e indicam como os eleitores estão se sentindo quando defrontados com pesquisas de opinião eleitoral.

Tanto no questionamento espontâneo, quando não são apresentados nomes de supostos candidatos, em todas o nome de Lula está em primeiro lugar, com mais de 31% da preferência popular, praticamente o somatório dos tres candidatos seguintes: Bolsonaro, Marina Silva e Ciro Gomes. Em ambas as modalidades, espontânea e com listas de nomes, o desempenho de Geraldo Alkmin, do PSDB, é muito baixo, chegando a empatar ou perder para Bolsonaro em São Paulo, estado em que foi governador por tres vezes.

Outro aspecto é o desempenho de Bolsonaro, com Lula fica em segundo lugar, com pouco mais da metade das preferências do ex presidente, sendo que no Nordeste o seu desempenho é ridículo, apenas 7%, onde  Lula goza da preferência de 50% dos eleitores. Sem Lula, a preferida na Região nordeste é Marina com 18%, seguida de Ciro Gomes com 15% e Bolsonaro com 9%.

Outros aspectos curiosos tanto em relação a Lula quanto Marina Silva é a preferência desses nomes junto as mulheres, junto aos eleitores com apenas o ensino fundamental completo e `a camada populacional que ganha no máximo até um salário minimo, conforme dados recentes do IBGE é mais do que 50% da população trabalhadora. Nesses segmentos o desempenho de Bolsonaro também fica muito aquém de seus supostos adversários.

Aos poucos Bolsonaro parece que se consolida como candidato da direita, das camadas mais abastadas, da população branca e dos grandes grupos econômicos, incluindo banqueiros e latifundiários, o que poderá dificultar sua inserção junto `as camadas mais pobres, mulheres, nordestinos e trabalhadores urbanos e rurais.

A última pesquisa da CNT/MDA, divulgada na segunda feira (14/05/2018), na espontânea Lula aparece com 18,6% da preferência dos eleitores; Bolsonaro com 12,4% e dos demais pré-candidatos com menos de 2% cada um. Já na estimulada, Lula surge com 32,4%; Bolsonaro com 16,7%; Marina com 7%; Ciro Gomes com 5,4% e Geraldo Alkmin com apenas 4%.

Quando o nome de Lula não esta na lista dos possíveis candidatos, o quadro das preferências é o seguinte: Bolsonaro com 19,7%; Marina com 15,1%; Ciro Gomes com 11.1% e Alkmin com 8.1%. Em um possivel segundo turno, quando Lula está na lista o mesmo vence todos os demais candidatos; o mesmo acontece com Bolsonaro, que, sem Lula derrotaria todos os demais candidatos, com excessão de Marina Silva, que pela pesquisa CNT/MDA ficaria empatada, e em idêntido cenário no Data Folha Marina Silva seria a única, além de Lula que derrotaria Bolsonaro.

Como ainda estamos há alguns meses das convenções e das decisões da Justiça Eleitoral e outros fatos intervenientes que possam alterar os cenários para outubro, existem outros fatores que já começam a se cristalizar: a) se Lula for candidato será o grande vencedor, com toda a certeza; b) Bolsonaro parece que já atingiu seu limite superior e tem poucas chances de crescer; c) Marina Silva, deve avancar e chegar ao segundo turno, caso Lula não seja candidato, um cenário bem provável; d) o segundo turno deverá ser um embate entre Bolsonaro e Marina Silva, radicalizando o confronto entre direita e esquerda e aí, o fator decisivo deverá ser para onde o pêndulo dos candidatos do centro/direita e centro/esquerda deverá pender.

Mesmo que o periodo dos debates e da campanha seja curto, os eleitores irão definir suas preferências em função tanto da honestidade do candidato, quanto de suas propostas e também sobre seu passado, o que os mesmos já fizeram como figuras públicas para equacionar os grandes desafios nacionais.

JUACY DA SILVA, professor universitario, titular e aposentado UFMT, mestre em sociologia, colaborador e articulistas de diversas veiculos de comunicação. Email professor.juacy@yahoo.com.br Twitter@profjuacy Blog www.professorjuacy.blogspot.com

domingo, 13 de maio de 2018


FELIZ DIA DAS MÃES 2018

JUACY DA SILVA


Bom dia, ótimo domingo, com saúde, paz, alegria e muito amor em família. Parabéns a todas as mães, presentes, ausentes, já falecidas, mas sempre presentes em nossas memórias e lembranças. `As mães devemos nossas vidas, desde o ventre materno , bem como ao longo de nossas caminhadas.

Mães são seres especiais, dotadas de amor, de carinho, de dedicação, de solidariedade que, além de nos darem a vida, nos guiam, amparam e orientam ao longo de nossa jornada, exemplos de fé e de amor incondicional a quem devemos venerar, amar e cuidar sempre.

Que Deus possa estar com cada mãe nesta data, em cada lugar que se encontrar, hoje e sempre! Parabens! Vida longa, vitoriosa , abençoada a todas voces!

“Honra teu pai e tua mãe (isto é, respeite, ame, dignifique, cuide), para que se prolonguem os teus dias na terra que o SENHOR, teu Deus, te dá.” Êxodo, 20:12

Apenas para relembrar, HOJE, 13 DE MAIO DE 2018 também comemoramos a Ascencão de Jesus e a libertação dos escravos no Brasil ( assinatura da Lei Áurea). Por isso, mais do que nunca precisamos redobrar nossa luta contra o trabalho escravo ou em condições análogas, contra o preconceito racial e a violência contra a mulher, principalmente a mulher negra, pobre, favelada, situação que também afeta milhões de mulheres e mães por este Brasil afora.

O DIA DAS MÃES não pode ser apenas sinômimo de consumismo e um materialismo alienador, mas sim, um momento para refletirmos mais profundamente sobre a existência humana, as relações domésticas e na sociedade e a dignidade da mulher de forma ampla.

Abs e estejam sempre felizes. Juacy 13 MAIO 2018

quinta-feira, 10 de maio de 2018


JUSTIÇA E SOCIEDADE

JUACY DA SILVA

A existência das sociedades e dos estados modernos dependem dos sistemas judiciários para que as relações políticas, econômicas e sociais ocorram dentro de um clima de paz, de equidade, de transparência e de harmonia.

Mesmo que na atualidade coexistam diferentes formas de estados e de governo, independente de como cada sociedade esteja organizada, é de fundamental importância que exista um sistema judiciário, pelo menos em sua concepção, que seja “neutro”, isto é, imparcial, independente ou inter dependente com as demais instituições para que todos sintam-se no direito de recorrer a esta instância para terem a garantia de que seus direitos serão garantidos e respeitados.

Por esta razão, mesmo que exista um sistema judiciário em regimes ditatoriais ou totalitários, o mesmo jamais irá cumprir o papel de tratar igualmente todos os cidadãos, pois, neste caso, o poder judiciário estará subordinado aos ditames do partido único ou ao ditador e seu séquito, transformando-se em uma instância de opressão, ao lado de outros aparelhos de repressão como as forças armadas, as forcas policiais ou para militares e o próprio fisco.

No caso brasileiro, a nossa Constituição atual quanto as anteriores, até mesmo as que vigoraram durante regimes de excessão, durante o Estado Novo de Vargas, ou no decorrer dos governos militares entre 1964 até 1985, estabelecia e estabelece que o Brasil adota o Regime Republicano, sob um estado democrático de direito, com os tres poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário) independentes, mas harmônicos ente si.

Afinal, é o mesmo contribuinte que paga a conta, incliuindo as mordomias, privilégios e outras benesses e regalias que membros dos tres poderes gozam ou usufruem, muito além do que míseres trabalhadores ganham na forma de salário minimo ou um salário de fome que mal dá para sobreviver, em meio a uma exclusão social e niveis de pobreza que muito bem caracterizam nosso país. O que não deixa de ser uma vergonha nacional.

Ao longo de mais de meio século, desde o Governo João Goulart, no inicio dos anos 60, quando as chamadas “reformas de base” dividiram o pais e os conflitos surgidos daquele embate levaram `a intervenção dos militares e tudo o mais que muito bem conhecemos, a sociedade brasileira tem se manifestado no sentido de que precisamos de diversas reformas estruturais para que o aparato burocrático deixe de ser tão paquiderme. Neste sentido, a reforma do poder judiciário também deve estar na ordem do dia ou na agenda nacional, principalmente a   partir de agora que iniciamos mais um processo eleitoral, quando o povo brasileiro deverá eleger um novo ou nova Presidente da República, dois terços do senado, deputados federais, governadores de estado e assembléias legislativas.

Mesmo que o poder judiciario não seja constituido atraves de eleições, como ocorre em alguns países, ao escolhermos os integrantes dos demais poderes ( Executivos federal e estaduais; o congresso nacional e as assembléias Legislativas), também estamos credenciando, principalmente os Legisladores, para promoverem reformas estruturais, inclusive que afetem as estruturas e o funcionamento do poder judiciário.

Por outro lado, `a medida que os integrantes dos tribunais superiors precisam ser sabatinados e aprovados pelo Senado, a mensagem é clara no sentido de que em sendo o poder legislativo a legítima expressão da vontade popular, também o poder judicário deve estar subordinado ao princípio da soberania popular. Daí a idéia de uma justiça celere, neutra, transparente, eficiente, sem privilegios ou benesses para seus integrantes e que julgue com equidade.

Por exemplo, não tem sentido reduzir ou “acabar” com o foro por prerrogativa de função ou o popularmente conhecido como foro privilegiado para Senadores e Depudados Federais, que totalizam   pouco mais de 600 pessoas e deixar de lado o mesmo manto protetor de impunidade para mais de 48 mil outras autoridades, incluindo integrantes do próprio poder judiciário, do Ministério Público, Govenadores estaduais, prefeitos, ministros, conselheiros de tribunais de contas, deputados estaduais. Foro privilegiado é um atentado contra o princípio constitucional da igualdade de todos perante a Lei.

Não tem sentido que inúmeros processos sejam arquivados nas diversas instâncias judiciais, inclusive nos tribunais superiores por decurso de prazo, dando a idéia de que uma justiça lenta acalenta o sonho da impunidade por parte de poderosos.

A reforma do poder judiciário e de seu funcionamento deve ser inserido nos debates eleitorais que se aproximam, precisamos mudar paradígmas se almejamos ser uma nação desenvolvida, justa politica, econômica e socialmente.

JUACY DA SILVA, professor universitário, aposentado UFMT, mestre em sociologia, articulista e colaborador de diversas veiculos de comunicação. Email professor.juacy@yahoo.com.br Twitter@profjuacy Blog www.professorjuacy.blogspot.com

quinta-feira, 3 de maio de 2018


A TEMPERATURA ESTÁ ESQUENTANDO

JUACY DA SILVA

Estamos em pleno outono, a caminho do inverno, ou seja, quando a temperatura no hemisfério sul esfria de forma continua. Enquanto isto, a temperatura politica brasileira esquenta de forma rápida, alimentada por conflitos de interesses, novas denúncias de corrupção envolvendo gente graúda, incluindo muitas autoridades que gozam de impunidade para seus mal feitos, graças ao famigerado “foro especial” ou em linguagem técnica “foro por prerrogativa de função”, crise econômica que persiste, desemprego que ainda é o flagelo de mais de 13,2 milhões de desempregados, além de outros 15,5 milhões de subempregados, descrença generalizada da população em relação aos politicos e demais autoridades em todos os níveis e assim por diante.

Além desses fatos, ainda podemos assistir ao vivo os debates no STF e constatar que a mais alta corte de justiça do pais esta rachada ao meio, principalmente quando se trata de definir questões que afetam autoridades com foro privilegiado. Costuma-se dizer que generais, altos dignatários religiosos, politicos e integrantes do poder judiciário e também membros do ministério público mais se parecem com semi-deuses, donos da verdade absoluta, esquecendo-se de que tanto as políticas quanto as ações de governo, nos tres poderes, são custeadas pelo suado dinheiro do contribuinte, incluindo metade da população que vive ou sobrevive quase vegetando com um salário de fome ou graças a algumas migalhas que caem dos orçamentos publicos, enquanto os marajás da República continuam com seus altos salários e demais mordomias.

Outros fatos que estão aquecendo a temperatura política e social no Brasil nos últimos meses podem ser destacados: a condenação e prisão do ex presidente Lula, que, apesar de preso, ainda é o candidato da preferência do povo/eleitores brasileiros; a condenação e com certeza prisão do ex governador e ex senador mineiro, Eduardo Azeredo, envolvido em corrupção no chamado mensalão Tucano, apesar de que muita gente, por algum tempo, ter acreditado que todos os partidos, menos o PSDB, flertavam ou ainda flertam com a corrupção.

Neste aspecto outro fato neste clima politico quente foi a decisão do STF tornando réu o outrora cacique do PSDB, Senador Aécio Neves, que também, tudo leva a crer, pelo andar da carrugarem,  irá parar atrás das grades, a menos que o STF mude sua postura e decisões e dê uma “forcinha” para que condenados em segunda instância possam recorrer das sentenças em liberdade, garantindo uma certa impunidade graças `a morosidade como os investigados com foro privilegiado gozam junto aos tribunais superiores, tudo isto, com algumas excessões, é claro, como aconteceu com o ex senador Delcídio do Amaral.

Contra algumas posturas consideradas dúbias ou contraditórias do STF e outros tribunais superiores, parece que está havendo um certo “mal estar” por parte da cúpula militar, principalmente no Exército, envolvendo alguns generais de pijama e também parte dos generais do Alto Comando, incluindo o próprio Comandante do Exército, com pronunciamentos considerados duros e muito críticos em relação ao momento atual.

Fazendo coro com tudo isso, a candidatura do Deputado e ex capitão do Exército, Jair Bolsonaro, bastante conhecido por suas posições radicais, seus discursos inflamados, está bem consolidada e , a menos que surja um fato novo, tende a chegar ao segundo turno das eleições presidenciais deste ano, se é que vamos mesmo ter eleiçõs em outubro proximo.

Há poucos dias, o Senador Requião, do PMDB/PR divulgou um pronunciamento pelas redes sociais, alertando o país, autoridades e instituições sobre a gravidade do momento que estamos vivendo, incluindo os atentados a bala contra a caravana de Lula no Sul do país e contra o acampamento dos simpatizantes do ex presidente em Curitiba. Segundo Requião estamos vivendo um clima muito tenso que pode desembocar em conflitos violentos no país, exigindo ou dando margem para uma intervenção militar, não como a que ocorre no Rio, mas como um golpe militar e a quebra da “normalidade democrática” e o rompimento dos liames que sustentam um estado democrático de direito.

Enfim, parece que estamos mais próximos de um enfrentamento generalizado entre grupos de interesses conflitantes que podem levar o país ladeira abaixo, com sérias repercussões na economia e nas instituiçoes. Muita gente vê uma certa semelhança com o final de 1963 e os idos de março de 1964 e o restante da estória e história que bem conhecemos.

Costuma-se dizer que é facil perceber quando os tanques, veiculos blindados e militares saem das casernas, difícil é prever ou antever quando voltarão, novamente, aos quartéis. Este filme tem sido visto e revisto em alguns países, como no Egito, por exemplo e não custa colocar “as barbas de molho”.

JUACY DA SILVA, professor universitario, titular e aposentado UFMT, mestre em sociologia, articulista e colaborador de diversas veiculos de comunicação social. Email professor.juacy@yahoo.com.br Twitter@profjuacy Blog www.professorjuacy.blogspot.com

quarta-feira, 25 de abril de 2018


SAÚDE PARA POUCOS

JUACY DA SILVA

Os artigos 196 até 200 da Constituição Federal estabelece as bases e princípios relativos `a saúde dos brasileiros, os quais deveriam ser cumpridos fielmente, mas na verdade boa parte do que ali consta não passa de boas intenções dos legisladores constituintes ou letra morta para “inglês ver”, como se diz quando normas constitucionais são simplesmentes ignoradas.

No proximo dia 05 de outubro de 2018, vamos comemorar 30 anos da promulgação da Constituição Federal, que até 04 de outubro do ano passado (2017) já foi emendada ou remendada, alguns dizem, nada menos do que 97 vezes.

Para muitos estudiosos a Constituição Federal brasileira foi um avanço em termos de cidadania e para outros um conjunto de ideais apropriados para países capitalistas avançados ou até mesmo países socialistas. Outros estudiosos dizem que nossos constituintes pensaram que o Brasil estaria prestes a se tornar um regime parlamentarista e por ai vamos tentando ampliar  ou reduzir direitos, gerando muitas contradições e grandes polêmicas.

Por exemplo, o artigo 196 da Constituição Federal estabelece taxativamente que “ A saúde é direito de todos e dever do estado….” e o artigo 198, também estabelece as normas, princípios e diretrizes de como a saúde publica deveria ser organizada para que , de fato, atendesse aos princípos da universalidade, da equidade, da integralidade, da descentralização, da humanização, da participação da sociedade em sua gestão e sua autonomia.

Enfim, nossos constituintes imaginaram que a saúde brasileira deveria ser para todos, sem distinção de classe, cor, território ou condição econômica e social. Para quem lê a Constituição Federal e as Leis que criaram e organizaram o SUS, é algo maravilhoso, que contrasta com o descaso  como a população pobre, os excluidos são tratados.

Imaginemos uma mulher que viva no Amapá, onde só existe um mamógrafo para o estado todo e que esteja estragado, como poderá esta mulher realizar exames preventivos de câncer de mama? Imaginemos milhões de pessoas que a cada dia, por este Brasil imenso precisa acordar de madrugada ou passar a noite toda para tentar agendar uma consulta médica ou centenas de milhares de usuários so SUS que estão na fila virtual, invisível há dois , tres ou cinco anos para agendar ou conseguir um exame de media ou alta complexidade ou uma cirurgia. Basta assistirmos os noticiários da TV, rádio, lermos as manchetes dos jornais ou da midia virtual e a conclusão é a mesma: o atendimendo dispensado `a população pobre no Brasil é uma vergonha, um acinte, um desrespeito `as normas constitucionais, legais e `a dignidiade da pessoa humana.

Segundo dados recentes, do final novembro de 2017, do IBGE, pouco mais da metade da população brasileira, vive ou sobrevive com menos de um salário minimo, enquanto a camada do topo da pirâmide econômica e social, 1% da população, recebe em media R$27 mil reais por mes e alguns marajás da República, nos tres poderes chegam a ganhar mais de R$50 ou R$100 mil, incluindo uma minoria, nos tres poderes, que recebe auxílio moradia de mais de R$3 mil mensais e até ameaçam  fazer greve para manterem este e outros privilegios. Para esses, tanto o poder legislative, quanto executivo e judiciário tem planos e serviços especiais de saúde, tudo custeado pelos cofres publicos.

Entre 2007 e 2014, o número de pessoas que tinham planos de saúde saiu de 39,3 milhões e atingiu 50,4 milhões, mas em decorrência da crise econômica, do desemprego e da inadimplência generalizada que se abateram sobre a classe média, entre 2014 e 2017 mais de 3 milhões de segurados perderam seus planos de saúde e tiverem que voltar ao SUS, que a cada dia está mais sucateado, seja pela corrupção que tomou conta da administração pública seja devido ao corte de recursos destinados a saúde e outras áreas, devido `a aprovação do teto dos gastos públicos e da redução do tamanho do estado, sempre em detrimento da população pobre e excluida, pois os grandes grupos economicos e os marajás da República continuam com seus prvilégios, mordomias e outras benesses grantidos e até mesmo ampliados.

Para finalizar, devemos também levar rem consideração que até final de novembro de 2017 o numero total de aposentados e pensionistas pelo INSS era de 34 milhões de pessoas, dessas, 2/3 ou seja, 22,7 milhões desse total recebiam apenas um salário minimo.

Enquanto os marajás da República, integrantes dos tres poderes tem salario médio acima de R$20 mil, R$30 mil ou até mais, além de diversas privilegios e benesses, tudo custeados pelo Tesouro ou seja, dinheiro de uma pesada carga tributária que pesa mais sobre o consume e os pobres, nossos governantes imaginam que quem ganha salário minimo pode ter saúde e educação de qualidade ou que possa, com um salário desses, ter uma vida dígna.

A pergunta que se pode fazer é como uma pessoa, recebendo no máximo um  salário minimo, de fome, pode sustentar a si e sua familia, incluindo alimentação, saúde, transporte, habitação, vestuário, lazer e educação. Podemos dizer, sem sombra de duvida, que saúde, educação, moradia e alimentação de qualidade são privilégios para poucos no Brasil. O grande paradóxo é que continuamos assistindo a cada dois anos, os pobres elegendo governantes que pouco ou nada fazem para mudar esta triste e vergonhosa realidade, pois continuam sempre defendendo os privilegiados e seus interesses, esquecendo-se do povo que sofre e continua marginalizado.

JUACY DA SILVA, professor universitario, titular e aposentado UFMT, mestre em sociologia, articulistas e colaborador de diversas veiculos de comunicação. Email professor.juacy@yahoo.com.br Twitter@profjuacy Blog www.professorjuacy.blogspot.com