sexta-feira, 17 de maio de 2013


UMA JOVEM CENTENÁRIA

JUACY DA SILVA

De acordo com estudos realizados pela ONU e por diversos institutos de pesquisas ao redor do mundo, o número de pessoas que atinngem a idade de cem anos aumenta de forma acelerada em todos os países, inclusive no Brasil.

Em 2010 a população com mais de cem anos no mundo era de 316.600 pessoas, devendo atingir um milhão em 2030 e pular para 3,2 milhões em 2050. Mais de 80% desse contingente são mulheres.   Os países onde estão concentradas a maioria  dessas pessoas são: EUA 53.364; Japão com 51.376; China com 48.921; Brasil com 23.760 e França com 20.106. Todavia as taxas de centenarios/as por cem mil habitantes é um pouco diferente: 1) Japão com 34,9; 2) França com 27,0; 3) Canadá com 22,3, 4) Inglaterra com 20,4; 5) Austrália com 18,8 , 6) EUA com 17,3. O Brasil fica na 10a. posição com 12,5.

Na última segunda feira tive o prazer e satisfação de receber a visita de uma jovem centenária, que amanhã, dia 18 demaio de 2013, irá completar um século de existência. Trata-se da Sra.Clemência Souza Dourado, mãe de duas amigas Professoras da UFMT Neusa Souza Dourado (minha ex-aluna no curso de Serviço social nos idos da década de setenta) e a historiadora Nileide Souza Dourado. A minha entrevistada é também avó de meu amigo “expert” em informática, Marcelo Souza Dourado.

Dona Clemência nasceu na Bahia e ainda jovem migrou com o esposo e outros parentes para a região de Poxoréo, onde viveu por várias décadas, atéque em meados da década de sessenta transferiu residência para Cuiabá, onde continua até hoje, firme e forte. Ao longo da entrevista fiquei  impressionado com a vitalidade, memória privilegiada, saúde e até mesmo um elevado senso de humor e de auto-estima. Rememorou inúmeras passagens de sua infância vivida no meio rural na Bahia, traumas sofridos pela morte de entes queeridos. Recordou com detalhes a longa viagem, parte em pau de arara, parte de trem e parte no lombro de mula quando deixou seu estado natal para adotar Mato Grosso como seu novo destino.

Dona Clemência é uma pessoa alegre, religiosa, gosta ainda de passear (esteve recenemente no Rio de Janeiro, não titubeou em colocar maio e ir a praia), gosta de ouvir música, dançar, costuma ver TV com frequência diária e mencionou que todos os dias assiste aos programas  da TV Aparecida, inclusive a Santa Missa.

Atualmente costuma ficar uma ou mais semanas na casa de cada uma de suas tres filhas, em Cuiabá e de um filho e Várzea Grande e disse que isto não representa problema pelo contrário, até ajuda a ficar ligada em diferentes situações e desafios do cotidiano, como por exemplo, TVs  e pessoas diferentes, incluindo seus 6 filhos; 11 netos/as; 12 bisnetos/as e cinco tetranetos/as.

Ficou viuva há 19 anos e contou que depois que ficou viuva o seu primeiro namorado,  que na verdade foi o seu primeiro e grande amor, veio a Cuiabá visita-la e até sairam para almoçar na companhia de suas filhas e do ex-namorado. Mas como o mesmo ainda estava morando na Bahia, ainda que a sua antiga paixão desejasse, um novo casamento se tornou impossível.

Perguntada sobre os fatores que, em sua opinião, explicam uma vida longa e saudável, estar prestes a completer 100 anos ,ela não titubeou e disse “meu filho, a razão de eu estar chegando aos cem anos é porque eu sempre trabalhei, nunca fumei, sou religiosa , adoro dançar e me cuido”. Dona Clemência  se locomove sozinha, tem passos firmes, posição ereta, é animada, não exagera na alimentação e sempre teve participação ativa em seu círculo de relacionamento. Resumindo, sempre foi e continua sendo uma mulher de luta, de fibra e decisões.

Perguntada sobre política disse que sempre gostou mais do PSD do que da UDN, que admirava Ulisses Guimarães, FHC, não gostou do Lula como Presidente, mas gosta da Dilma. Indagada sobre seus mais recentes candidatos disse que já votou em Wilson Santos, em Dante e Antero e que a última eleição que participou foi para governador de Estado em 2010, quando tinha 97 anos.

Dona Clemência é um exemplo de vida, de espírito de luta, de garra, de amor e carinho em relação aos seus familiares e a mais pura demonstração de que uma vida longa pode ser também sinômino de encantamento, de cidadania, de solidariedade. Oxalá, o exemplo de vida desta jovem centenária inspire nossos estudiosos a se debruçarem mais sobre os caminhos que levem a encontrar a fonte da eterna juventude. Parabens Dona Clemência. Sua forma simples de ser, a tornam mais humana e um grande orgulho para seus familiares e todos nós! PARABENS E FELIZ ANIVERSÁRIO! Que Deus a proteja sempre!

JUACY DA SILVA, professor universitário, fundador, titular e aposentado UFMT, mestre em sociologia, colaborador/articulista de A Gazeta há mais de 19 anos. Email professor.juacy@yahoo.com.br Twitter@profjuacy 


 

2 comentários:

Maria Antonieta Fernandes disse...

Amei esse trabalho. Dona Clementina é mesmo um exemplo, contudo somo a sua vontade de viver o carinho e desvelos de seus filhos! Parabéns pela entrevista!

Profª Didi Reis disse...

Parabéns a D. Clemencia e para todos de sua família, que desfrutam de sua convivência...deve ser um grande aprendizado. Pois para uma família e amigos,que podem conviver e receber os ensinamentos de D.Clemencia, certamente a vida tem um colorido especial.
A matéria do Prof.Ms Juacy, mostra e comprova, que a população brasileira de hoje, está bem mais idosa, porém os idosos com mais saúde, porque a comunicação os deixam bem mais inteirados e antenados. Faltou a foto da aniversariante, dançando sua valsa de centenário. Um grande Beijo para a sra Clemencia.